Pedagogia

Você sabe como engajar os seus alunos e melhorar o ensino?

Você_sabe_como_engajar_os_seus_alunos_e_melhorar_o_ensino.jpg.jpeg

 

Muitas são as razões que levam ao desinteresse e desmotivação dos estudantes com o ensino. Problemas pessoais, timidez, falta de confiança para expressar seus pensamentos, entre muitos outros. Neste post, vamos abordar um assunto que representa um dos maiores desafios dos professores atualmente: como engajar os seus alunos?

O resultado do seu trabalho como professor, não só para a escola, mas para o desenvolvimento do aluno, depende em grande parte da motivação e interesse dos estudantes. Por isso, o QMágico listou algumas dicas de como engajar seus alunos e melhorar o ensino da sua escola. Confira:

Inteligência educacional: você sabe o que é gamificação?

Inteligência_educacional_você_sabe_o_que_é_gamificação.jpg.jpeg

Hoje em dia, qualquer professor que atue em escolas sente a necessidade urgente de deixar as aulas mais atraentes para os alunos. Já não se pode mais esperar que os estudantes, principalmente as crianças, fiquem quietos e compenetrados durante tanto tempo, com aulas apenas teóricas. O que nos leva ao seguinte problema: como deixar as aulas mais práticas e interativas?

A descoberta do melhor jeito de aprender para cada personalidade

A descoberta do melhor jeito de aprender para cada personalidade

Como cada estudante pode descobrir o seu jeito de aprender e como os professores podem aplicar um ensino personalizado

 

Aprender a Aprender

Hoje posso dizer que consegui ter um grande sucesso nos estudos. Grande parte do meu sucesso veio do fato de que eu consegui me adaptar bem ao modelo pedagógico pelo qual fui ensinado. Tive sorte duplamente quanto a isso, pois o meu jeito de aprender não era o que era esperado pelos professores e mesmo assim consegui “aprender a aprender” ao mesmo tempo que me adaptava a cada aula.
A realidade do ensino no mundo inteiro revela que a simples falta deste conhecimento é a causa de muitas desistências e frustrações. Aprender a aprender não é ensinado nas escolas por simples motivos. Historicamente, o ensino evoluiu da mesma forma que a revolução industrial: como linhas de montagem onde todos os alunos recebem as mesmas instruções da mesma forma. Esta habilidade poderia ser ensinada se ela não tivesse um simples problema que contrasta com tudo isso: cada pessoa aprende melhor de jeitos diferentes.

Entenda a sala de aula invertida

A sala de aula invertida ou flipped classroom é uma metodologia ativa que ressignifica o papel do aluno, do professor e da aprendizagem. Coloca o aluno no centro do processo ensino aprendizagem, como protagonista e, promove o desenvolvimento de uma aprendizagem ativa, investigativa e colaborativa.

O professor promove aos alunos um processo de aprendizagem contínuo, que acontece em diferentes espaços e possibilita ampliar seus estudos, conhecimentos, e ainda desenvolver habilidades de comunicação, gestão e autonomia. Neste novo formato de ensinar e aprender, os educadores são mediadores da aprendizagem e não detentores do conhecimento.

Como levar seus alunos ao outro lado do mundo com a vida virtual

O objetivo de todos os professores que participam do relatório tvve é: entender como melhorar cada vez mais a aprendizagem de seus alunos por meio dos recursos virtuais, mas caminho até este objetivo pode ser diferente. E muito. Malcon Doulgas é professor de japonês em Brasília. Ele passa por desafios pedagógicos que podem ser bem distintos dos de uma sala de aula convencional. Adaptando os recursos disponíveis a cada obstáculo que ele enxergou possibilidades de engajar os seus alunos para se superarem ao aprender uma língua que é tão distante da nossa.

No processo de entender a vida virtual de seus alunos ele percebeu o quanto as redes sociais poderiam motivá-los a aprender o significado de palavras desconhecidas. Ele percebeu que os alunos estavam constantemente conectados as suas redes. Segundo Malcon, “A internet dispõe de um leque de informações. Cabe ao professor escolher certos tipos de informações e aproximá-las do aluno de modo que ele tenha acesso a um texto, um dicionário virtual, a um plugin no navegador que eles percebem que possa ser útil”.