Resgatando a indispensável vontade de aprender

Uma geração conectada, interativa e que pede agilidade, exige do professor, além de profundo conhecimento dos conteúdos programáticos, um novo jeito de apresentá-los. Não quero que em nenhum momento nos afastemos da nossa missão como educadores, que, acima de qualquer coisa, é saber lidar com o humano. Mas hoje é o professor que tem de se questionar sobre os seus valores enquanto profissional e sobre como a educação pode criar oportunidades para suprir as lacunas de personalização do ensino.

Enxerguemo-nos como catalizadores de mudanças! Em qualquer momento da vida, a educação sempre estará relacionada aos nossos quereres mais viscerais que, por vezes, encontram-se distantes do que realmente acreditamos: nossos valores – o que nos faz pensar sobre o porquê de esse tema ser tão apaixonante e desafiador.

A escola, enquanto construção social, deve enxergar que uma nova era e que uma nova maneira de ensinar está em evidência. Os alunos sempre trazem à tona temas recentes, curiosidades e improvisação, o que por ora já é o bastante para desbancar as práticas atuais, tornando-as obsoletas.

Não há como resistir às mudanças e ao impacto das transformações do mundo moderno. Devemos trabalhar exponencialmente, fomentando uma participação mais ativa dos membros da escola e envolvendo-os em uma conversão cotidiana num espaço sem limites.

É com este conceito que vamos trabalhar adiante!

Deborah Calácia
Equipe QMágico