Práticas pedagógicas e a qualidade da educação

praticas-pedagogicas-e-a-qualidade-da-educacao.jpeg

Quando pensamos em práticas pedagógicas, imediatamente refletimos sobre medidas que podem implicar melhor aprendizagem dos alunos. Mais do que isso: atitudes e condutas que tornem o processo educativo mais enriquecedor, tanto para os alunos quanto para os professores.

Nesse sentido, fazer uma constante análise de qualidade da educação e dos métodos de ensino é parte fundamental nesse processo, já que eles interferem diretamente no cotidiano escolar.

Se você deseja saber mais sobre o assunto e pretende aumentar a sua participação nessa relevante discussão, continue lendo o texto!

O que são práticas pedagógicas?

Primeiramente, nós precisamos ter a noção de que há uma definição fechada desse conceito. Ele está apto a novas contribuições e é constantemente renovado pelos pensadores da área de pedagogia.

Além disso, uma prática pedagógica não se encerra na sala de aula ou na relação professor e aluno, já que expande a  sua abrangência, englobando a sociedade como um todo.

Maria Antônia de Souza, doutora em educação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e professora na UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa), escreveu um artigo bastante elucidativo a respeito. Nele, a pesquisadora diz:

a prática pedagógica é influenciada pelos aspectos conjunturais e estruturais da sociedade brasileira. A conjuntura pode ser visualizada nos aspectos da gestão educacional, do desenvolvimento das propostas curriculares, dos programas sociais — a exemplo do Bolsa Escola —, políticas de cotas etc.

Ou seja, não adianta falar sobre estratégias para aproveitar melhor o tempo da aula ou dar lições inovadoras, por exemplo, sem olhar para o contexto. Uma boa prática pedagógica sempre leva em conta os fatores descritos acima para determinar os seus objetivos e formas de atuação.

Em termos práticos: não é viável adotar a mesma estratégia utilizada na educação infantil para o ensino médio e acreditar que os resultados serão parecidos.

Como planejar as práticas pedagógicas?

Levando em conta os aspectos citados, devemos delimitar objetivos antes de pensar nas práticas que serão utilizadas para chegar até eles. O que se pretende com elas? Dar uma aula mais produtiva? Despertar nos alunos o interesse pelo debate? Incentivar a leitura?

Feita essa reflexão inicial, pense a respeito dos recursos, materiais ou não, que serão necessários para executá-las. Quais deles você tem à disposição para tirar a sua ideia do papel? Como consegui-los, caso não tenha? Serão necessárias adaptações visando à acessibilidade? Quanto tempo será preciso para aplicá-la?

Enfim, tudo isso precisa ser considerado anteriormente. Depois, em um terceiro momento, deve-se criar a própria prática pedagógica.

Como montar uma prática pedagógica eficiente?

É fundamental traçar o planejamento tratado no tópico anterior junto aos docentes, tendo em vista que eles serão os principais mediadores das práticas aplicadas. De nada serve a gestão pedagógica se mobilizar sem pensar na comunidade escolar.

Também é conveniente, caso ela valha para todo o ambiente da escola, dar o incentivo para que os professores compartilhem conhecimento entre si.

Outra atitude muito válida é saber diretamente dos alunos o que eles desejam nesse sentido. No entanto, esse processo precisa, evidentemente, de uma estrutura democrática, para que todos sejam ouvidos.

As sugestões dadas pelos discentes ainda podem passar por uma avaliação interna da diretoria e servirem como motivação para outros projetos.

Veja, a seguir, alguns exemplos práticos que você pode aplicar em sua instituição de ensino:

Trabalhos coletivos

Mostrar aos alunos a importância de saber trabalhar em grupo tem uma função grandiosa. Trata-se de uma ótima iniciativa do ponto de vista social, já que ajuda a desenvolver a empatia e o respeito pela alteridade.

Há, ainda, uma influência indireta na formação cidadã dos jovens e crianças. Afinal, saber escutar as opiniões alheias, sair da zona de conforto e ter as ideias contrariadas são fatos pertinentes à criação do pensamento crítico.

Essas noções bem desenvolvidas, aliás, podem melhorar o rendimento da escola, além das notas, fazendo com que ela se destaque também por suas ações e pela capacidade de mobilização estudantil.

Conscientização

Aproveitar datas comemorativas para trabalhar em conscientização é uma prática comum. Não é raro perceber instituições fazendo algumas atividades no dia da árvore, da água, do índio, e assim por diante.

Fazer um vasto trabalho de conscientização, no entanto, vai além disso. Sendo assim, é fundamental pensar em inovações que possam captar a atenção dos alunos e estimulá-los a compreender melhor aquelas temáticas que são mais delicadas ou complexas.

Tecnologia

Sim, a tecnologia pode ser uma poderosa aliada das escolas! Elaborar práticas pedagógicas a partir desse tipo de recurso é a chave para dar aulas mais participativas e dinâmicas.

Mostrar aos alunos, desde cedo, que os celulares, por exemplo, devem ser utilizados além do entretenimento, é uma forma de educá-los para o uso consciente desses dispositivos.

Negá-la é um erro comum, que só reforça uma barreira antiquada entre o professor e as tecnologias, entre a educação e a diversão. Com uma boa implementação tecnológica é possível:

Integrações culturais

Colocar a comunidade escolar em cenários culturais distintos, sejam artísticos, sejam reais, também se mostra como alternativa para promover a reflexão nos alunos.

Assim, a tendência é que sejam mais autônomos e capazes de guiar grande parte de seus próprios processos de aprendizagem.

Por que elas são importantes desde a educação infantil?

A relevância de uma prática pedagógica aplicada na educação infantil está em sua continuidade. Ou seja, um aluno que, quando criança, entrou em contato com boas práticas, carrega isso durante o resto de seus anos escolares.

Isso não diminui, nem um pouco, a importância de aplicá-las também no ensino médio ou fundamental. Apenas realça a necessidade de pensarmos nessas estratégias sob uma perspectiva estrutural, que também implique conquistas obtidas a longo prazo.

Desse modo, fica nítida a contribuição que um planejamento efetivo e a busca por melhores práticas pedagógicas podem trazer para uma instituição, renovando-a e fazendo com que ela tenha seus diferenciais na formação.

Se você gostou deste texto e quer melhorar ainda mais a rotina em sua escola, baixe gratuitamente o e-book “Segredos do planejamento pedagógico“!