Tecnologia

Como levar seus alunos ao outro lado do mundo com a vida virtual

O objetivo de todos os professores que participam do relatório tvve é: entender como melhorar cada vez mais a aprendizagem de seus alunos por meio dos recursos virtuais, mas caminho até este objetivo pode ser diferente. E muito. Malcon Doulgas é professor de japonês em Brasília. Ele passa por desafios pedagógicos que podem ser bem distintos dos de uma sala de aula convencional. Adaptando os recursos disponíveis a cada obstáculo que ele enxergou possibilidades de engajar os seus alunos para se superarem ao aprender uma língua que é tão distante da nossa.

No processo de entender a vida virtual de seus alunos ele percebeu o quanto as redes sociais poderiam motivá-los a aprender o significado de palavras desconhecidas. Ele percebeu que os alunos estavam constantemente conectados as suas redes. Segundo Malcon, “A internet dispõe de um leque de informações. Cabe ao professor escolher certos tipos de informações e aproximá-las do aluno de modo que ele tenha acesso a um texto, um dicionário virtual, a um plugin no navegador que eles percebem que possa ser útil”.

Vida virtual de aprendizagem já faz parte da rotina dos alunos do Colégio Ideal (Taguatinga – DF)

Com o objetivo de trazer informação das abordagens, métodos e técnicas pautadas nas tecnologias educacionais, além de evidenciar e inspirar o interesse das escolas brasileiras na quebra de paradigmas e no uso de dados na educação, o Relatório tvve ouviu a opinião do professor de Biologia do Colégio Ideal, João Martins, sobre o assunto.

O professor João Martins informa que já faz uso, informalmente, de algumas ferramentas digitais na instituição de ensino que fica localizada em Taguatinga, próxima a Brasília. “Fazemos testes on line pelo Classmarker, colocamos os vídeos no Youtube, compartilhamos arquivos pelo site do Google, temos uma conta de Twitter”, cita o professor João Martins.

A possibilidade de colocar tudo em um só local é muito boa, pois economiza tempo. Ele acrescenta que prefere especialmente a ferramenta que o QMágico disponibiliza, pois permite acompanhar se a evolução do estudante está adequada. “O maior uso foi pela simulação da nossa avaliação discursiva”, cita.

Caso de uso Profª Karla Medeiros – Escola Georgina (Castanhal – PA)

Professores e alunos do Brasil inteiro estão usando a plataforma QMágico para a coleta de dados e composição do Relatório tvve – tendências da vida virtual na educação. A maioria das escolas já realizou a habilitação técnica e está utilizando no dia a dia de atividades escolares. Essas escolas registram alto índice de vida virtual (ivv), aproveitando os benefícios da plataforma.

20140521_081814Professores e alunos – Escola Georgina Nascimento (Castanhal-PA)

Inspirar educadores do Brasil inteiro a fazer bom uso de práticas pedagógicas virtuais é o objetivo da série Casos de Uso. Queremos compartilhar as melhores práticas de utilização da nossa plataforma para que estes exemplos reais possam ser aplicados no dia a dia da sua instituição e ajudar a gerar excelentes índices de vida virtual. Leia abaixo a entrevista com a  Profª Karla Medeiros da Escola Georgina (Castanhal – PA) contando sua experiência com o Relatório tvve:

15 passos para adotar tecnologias em sala de aula

Para um professor que só foi se relacionar com a internet apenas depois de adulto, as tecnologias digitais, tão familiares para crianças e adolescentes, podem até parecer um universo hostil. Mas, de acordo com Luciana Allan, diretora do Instituto Crescer para a Cidadania e especialista em tecnologias aplicadas à educação, não há o que temer. Para ajudar a estreitar esses laços entre professor e tecnologia, ela e sua equipe acabam de lançar o livro digital Crescer em Rede –Um guia para promover a formação continuada de professores para adoção de tecnologias digitais no contexto educacional, que está disponível para download gratuito.

“Com a adoção das tecnologias digitais dentro e fora das salas de aula, o processo de ensino e aprendizagem vem se tornando, rapidamente, um grande desafio para uma geração de professores que estudou e aprendeu a ensinar em uma era pré-digital”, afirma a especialista. Segundo ela, a intenção do guia é ajudar o professor nesse momento de transformação e compartilhar insumos para que ele seja capaz de promover a chamada educação 3.0.

Como a tecnologia pode contribuir para o ensino adaptativo?

Cada vez mais, no mundo de educação, ouvimos falar de softwares ou algoritmos de aprendizagem adaptativa, ferramentas para personalizar as necessidades de aprendizado nas salas de aula. Estas soluções prometem revolucionar o ensino e engajar os alunos do século XXI. Nós, no QMágico, temos como produto um software aprendizagem adaptativa, assim como algumas empresas internacionais que estão virando suas atenções para o nosso país. Vou tentar explicar um pouco o que é isso – e como os softwares adaptativos se diferem entre si.

O que são softwares de aprendizagem adaptativa e como eles ajudam os professores?
Vamos começar por um conceito mais abrangente: educação personalizada! Nada mais é do que entregar uma educação diferente para cada aluno. Cada aluno recebe os materiais que necessita, na sequência que necessita, para atingir o objetivo de aprendizado que necessita para sua vida. Nada novo até então, afinal tutores particulares fazem isso há décadas. Nos Estados Unidos, esses tutores são bem populares, pois a prática de homeschooling (aluno aprendendo em casa com um tutor particular)  é regulada pelo governo.