Tecnologia

Como avaliar diferentes competências e habilidades na educação?

como-avaliar-diferentes-competencias-e-habilidades-na-educacao.jpeg

Com as novas demandas do século XXI e a possibilidade que os jovens têm de se tornarem protagonistas do seu próprio desenvolvimento, as escolas começam a focar, inclusive, na preparação para situações do cotidiano. É preciso desenvolver novas competências e habilidades na educação e não ignorar as necessidades sociais e emocionais de cada indivíduo.

Além dos aspectos cognitivos, a avaliação das diferentes aptidões do estudante é uma etapa essencial durante o processo educativo. Ela ajuda a reconhecer obstáculos, priorizar objetivos e planejar novas ações ao longo da trajetória escolar de forma prática e efetiva.

Dessa maneira, preparamos este artigo para que você possa entender como avaliar seus alunos por meio de novas competências. Boa leitura!

O que são competências e habilidades na educação?

Com as disciplinas e conteúdos apresentados na sala de aula, o aluno adquire conhecimento e desenvolve habilidades para tornar-se capaz de relacionar informações, compreender fenômenos, analisar situações-problemas e sintetizar dados.

Entretanto, muito além das habilidades tradicionais, é preciso colocar em prática atitudes e desenvolver competências para controlar emoções, demonstrar empatia e resiliência, manter relações sociais positivas para tomar decisões de forma responsável e conseguir alcançar seus objetivos.

Com essa abordagem, a escola pode elaborar práticas pedagógicas que sejam mais justas e eficazes. A forma como o aluno conduz suas relações e responsabilidades está relacionada com a sua capacidade de conviver e resolver situações do dia a dia. O objetivo da educação é trazer uma formação integral, que não se restringe apenas à propagação de conteúdos.

Quais desenvolver em sala de aula?

Um estudo realizado pela Dell Technologies e publicado em 2017 mostrou que 85% das profissões exercidas em 2030 ainda não foram inventadas. Isso mostra que as escolas precisam, cada vez mais, preparar seus alunos para um novo panorama.

Confira algumas habilidades e competências socioemocionais que podem ser desenvolvidas em sala de aula:

  • empreendedorismo: incentiva o indivíduo a ir atrás dos seus interesses profissionais, criando estratégias, assumindo riscos e, consequentemente, aprendendo com seus próprios erros;
  • pensamento crítico: ensina a ler e interpretar cenários, criar estratégias e debater ideias em diferentes situações;
  • resiliência: importante para fortalecer em momentos de grandes mudanças e ensinar a não desistir ao se deparar com problemas difíceis até encontrar uma solução;
  • colaboração: orienta a desenvolver tarefas em equipe e a conviver com diferentes opiniões, perfis e métodos de trabalho.

Quais as melhores formas de avaliação?

Avaliar diferentes habilidades e competências é importante para orientar o aluno a respeito da importância desse desenvolvimento e seu impacto no desempenho escolar. Além disso, os dados provenientes dessas análises ajudam professores e gestores a desenvolverem práticas pedagógicas mais personalizadas.

A avaliação deve ser um processo contínuo, com diagnóstico, análise e parecer dos pontos positivos e pontos de melhoria. É interessante criar grupos com os alunos para avaliar suas evoluções e rodas de conversa com os pais para discutir os resultados.

Já existem plataformas, como o QMágico, que auxiliam o professor durante o acompanhamento da evolução dos alunos. Essa tecnologia permite uma avaliação eficiente e rápida das habilidades desenvolvidas pelos estudantes em sala de aula.

Use a interdisciplinaridade

Avaliações interdisciplinares são mais estimulantes e motivadoras. As habilidades trabalhadas devem fazer parte do cotidiano, com um caráter amplo e conectado. Essa avaliação pode ser feita estimulando a cooperação entre os estudantes e analisando sua capacidade de desenvolver relacionamentos interpessoais, sempre respeitando as diversidades dos indivíduos da turma.

Faça autoavaliação

Estimule os alunos a refletir sobre suas mudanças pessoais e a avaliar se os seus objetivos estão sendo alcançados. Se não estiverem, incentive-os a buscarem maneiras de superar suas próprias dificuldades.

Forneça feedbacks

Faça comentários sobre o desenvolvimento do estudante. Seja claro e incentive o aluno a melhorar cada dia mais. Aponte, inclusive, seus pontos positivos, para gerar autoconfiança. Lembre-se de que a função do professor é orientar e instruir a aprendizagem, mas sem apontar as soluções definitivas.

O aprendizado deve considerar a construção do aluno enquanto sujeito transformador do mundo a sua volta. Desenvolver novas competências e habilidades na educação é fundamental para preparar os jovens para carreiras cada vez mais desafiadoras e exigentes.

Por fim, não deixe de complementar a leitura e confira qual a importância e como realizar uma avaliação diagnóstica na sua escola!

O que é educação baseada em evidências?

 

O que sabemos a respeito do que realmente funciona em educação, para além da percepção dos educadores e mitos que circulam dentro das instituições de ensino? Para elucidar essa questão, hoje, a Tuneduc vai te ajudar a compreender como a educação baseada em evidências pode nos levar para longe das crenças comuns que rondam escolas e políticas públicas.

 

Educação baseada em evidência

A educação baseada em evidências apresenta conclusões científicas para tomada de decisão em temas centrais da educação, por meio de estudos sólidos e instrumentos estatísticos. Ou seja, usa-se pesquisas, análises de causa-efeito, tratamento de dados e principalmente dados de avaliações (internas ou externas) para justificar mudanças e melhorias no âmbito escolar.

É importante lembrarmos que a internet abriu espaço para uma infinidade de novos dados e seu uso qualificado para ofertas mais adequadas – dos produtos que são oferecidos a você por meio de publicidade aos filmes que o Netflix te sugere. O campo dos negócios e da propaganda já é data driven, ou seja, guiado por dados. Nos próximos parágrafos, vamos explicar por que sua escola também deveria ser.

Nos últimos anos, diversos pesquisadores desenvolveram estudos e ferramentas que servem de subsídio para embasar decisões em nível macro, com a elaboração de políticas públicas, ou em micro, auxiliando as práticas pedagógicas de sala de aula.    

Todas essas camadas de evidências e estudos permite que  professores, gestores e responsáveis pelas políticas em educação tomem decisões bem fundamentadas e com maior chance de produzir impacto positivo na aprendizagem dos alunos, na escola e no bom uso de recursos para a educação.

Na prática

Quantas vezes você já ouviu falar que turmas menores aumentam o desempenho dos alunos? Mas será que essa afirmação se sustenta se analisarmos dados de desempenho comparando turmas, séries, períodos e demais fatores envolvidos no ambiente escolar? E se você diminuir todas as turmas da sua escola e perceber que, diferente do óbvio, seus alunos tiveram desempenho pior?

Outro bom exemplo, agora aplicado à gestão estratégica, são as instituições que usam dados e evidências para potencializar a captação de alunos, tornando esse processo muito menos doloroso.

Ao invés de fazer publicidade sobre a escola em qualquer lugar, essas instituições mapeiam bairros com crianças em idade escolar compatível com o ciclo que ela atende e renda familiar adequada ao valor da mensalidade. Debruçar-se sobre os dados de migração de alunos (com atenção especial às séries com evasão e escolas concorrentes) também é essencial para usar dados para mitigar a saída de alunos da sua instituição.

tuneduc

Hoje existem plataformas que utilizam dados público do Censo Escolas e Censo populacional que sistematizam e fornecem essas informações, por exemplo, o GeoEscola. Esse tipo de ferramenta é essencial para gestores e mantenedores que queiram iniciar uma gestão baseada em evidências.

Conclusão

Como disse o físico William Thomson, “Aquilo que não se pode medir, não se pode melhorar”. Sua mensagem é clara: quando não conseguimos medir um fenômeno (que pode ser o desempenho dos alunos, a eficiência de uma campanha de marketing ou os benefícios da adoção de certa metodologia na escola, por exemplo), não é possível “melhorar” nada. Se o balizador dessa melhora é apenas o nosso “achismo”, é sempre mais difícil (e duvidoso) avaliar a qualidade das nossas decisões. Por isso, cada vez mais escolas têm utilizado indicadores e dados para embasar sua tomada de decisões.

Amanda Bozza faz parte de equipe de marketing da Tuneduc.

5 benefícios de se usar um banco de questões em sua escola

banco de questões

O papel da tecnologia na educação tem aumentado cada dia mais. Hoje, milhares de alunos utilizam recursos on-line como videoaulas e aplicativos para facilitar o estudo, mas o uso da tecnologia não deve ficar restrito àqueles que desejam aprender. Professores também podem utilizar novas ferramentas como um banco de questões para otimizar seu tempo e obter melhores resultados de seus alunos.

Esse tipo de plataforma oferece milhares de exercícios para a formulação de simulados e provas que podem ser feitas tanto on quanto off-line, além de outros recursos que otimizam o processo de ensino-aprendizagem.

Conheça, a seguir, cinco benefícios de um banco de questões em sua escola e descubra como ele pode melhorar a sua escola! Boa leitura!

Conheça 6 bons motivos para aplicar simulados on-line para seus alunos

conheca-6-bons-motivos-para-aplicar-simulados-online-para-seus-alunos.jpeg

Quando se trata de estudar para concursos, Enem e vestibulares, a aplicação de simulados é ferramenta mais do que obrigatória para medir os conhecimentos dos estudantes e ajudá-los a reforçar conteúdos ainda não fixados até o dia dos exames.

Mas enquanto instituições de ensino como cursos pré-vestibulares lançam mão de métodos tradicionais, com provas impressas e correções demoradas, os simulados online estão aí para provar que é possível tornar o processo muito mais dinâmico e ainda colher diversos benefícios com a tecnologia — o que facilita em muito a vida não só de quem aplica os testes, como também dos estudantes que os realizam.

Você sabe quais são esses benefícios? Então não perca tempo e conheça agora mesmo 6 motivos para aplicar simulados online para os seus alunos!

4 dicas de como corrigir provas com mais produtividade

professor-saiba-como-corrigir-provas-com-mais-produtividade.jpegPlanejar as aulas, ler material de apoio e ainda dar conta de tarefas da sua vida pessoal: essa é a vida sobrecarregada de muitos professores no Brasil. Esse profissional fica ainda mais assoberbado após o período de provas, em que todo material deve ser avaliado individualmente. Por isso, saber como corrigir provas de uma forma mais eficiente pode ser uma mão na roda.

Mudando algumas atitudes comportamentais com organização do tempo, o mestre pode conseguir se aprimorar nesse processo. E no caso dele saber aproveitar as tecnologias, poderá cumprir a correção das provas e ter mais tempo para levar inovação para sala de aula.

Quer saber como? Acompanhe este texto e conheça 4 boas práticas para agilizar sua rotina de correção de forma eficaz e ao mesmo tempo segura!