Sala de aula

A descoberta do melhor jeito de aprender para cada personalidade

A descoberta do melhor jeito de aprender para cada personalidade

Como cada estudante pode descobrir o seu jeito de aprender e como os professores podem aplicar um ensino personalizado

 

Aprender a Aprender

Hoje posso dizer que consegui ter um grande sucesso nos estudos. Grande parte do meu sucesso veio do fato de que eu consegui me adaptar bem ao modelo pedagógico pelo qual fui ensinado. Tive sorte duplamente quanto a isso, pois o meu jeito de aprender não era o que era esperado pelos professores e mesmo assim consegui “aprender a aprender” ao mesmo tempo que me adaptava a cada aula.
A realidade do ensino no mundo inteiro revela que a simples falta deste conhecimento é a causa de muitas desistências e frustrações. Aprender a aprender não é ensinado nas escolas por simples motivos. Historicamente, o ensino evoluiu da mesma forma que a revolução industrial: como linhas de montagem onde todos os alunos recebem as mesmas instruções da mesma forma. Esta habilidade poderia ser ensinada se ela não tivesse um simples problema que contrasta com tudo isso: cada pessoa aprende melhor de jeitos diferentes.

Como seus alunos podem te ajudar a resolver conflitos na escola.

O maior desafio da gestão educacional nos dias de hoje é a gestão de pessoas. A comunicação e a resolução de conflitos junto a alunos e pais é uma das grandes dificuldades dos gestores educacionais, sejam eles dirigentes, coordenadores ou professores.

 

Happines

As técnicas de comunicação e gestão para resolver conflitos na escola que conhecemos, desde os bilhetes para casa até as reuniões tradicionais, sucumbem diante da velocidade da comunicação instantânea e da incapacidade de ouvirmos uns aos outros verdadeiramente.

 

Reunião de diretoria

 

Seis da tarde, calor sufocante, e uma reunião com uma discussão também quente é interrompida com um gesto e uma palavra do CEO: “PENSEIRA!¨

Confesso que não entendi nada!

Imediatamente, todos se calaram, fecharam seus computadores, deixaram telefones celulares de lado e começaram a escrever freneticamente em folhas de papel.

Thiago Feijão, que percebeu meu minuto de ignorância sobre o tema, em voz baixa comentou: ¨Álvaro, este é o momento em que todos param, escrevem o que estão pensando e sentindo, sem nenhuma restrição. É a hora de esvaziar a cabeça e o coração pra que voltemos melhores para a reunião.”

Ainda sem entender muito, escrevi tudo o que me veio à mente.

Top 5 tendências de tecnologias para uso em educação

Muitos dirigentes e educadores me procuram para saber como tomar decisões sobre inovações em suas escolas quando surgem novas soluções diariamente na área de tecnologia educacional.

Reuni, neste artigo, 5 tendências e ações práticas embasados na pesquisa que Jane Hart publicou com o ranking das 100 ferramentas de aprendizagem mais usadas em 2015.

Em sua 9a edição, ela compilou votos de mais de 2.000 profissionais de educação ao redor do mundo e revela tendências interessantes da área com aplicações imediatas para escolas e professores.

Os resultados são surpreendentes!

 

Top ferramentas de aprendizagem 2015

Neste artigo procuramos elencar as cinco principais tendências e as ações práticas decorrentes delas para apoiar gestores e professores em suas decisões de inovação

 

1 – O uso da nuvem e das ferramentas na Internet vai crescer.

Nos últimos cinco anos, das cinco principais ferramentas no ranking de tecnologias para educação, quatro delas são ferramentas baseadas na internet. Todas elas de uso gratuito.

Tudo leva a crer que esta lista de aplicativos usados gratuitamente via internet vai aumentar significativamente nos próximos anos.
Recomendações práticas: 
As escolas devem intensificar a quantidade e qualidade das atividades na Internet, substituindo rotinas tradicionalmente feitas no mundo físico (tarefas de casa, simulados, apresentações em sala de aula) por atividades digitais.

As escolas devem intensificar a quantidade e qualidade das atividades na Internet, substituindo rotinas tradicionalmente feitas no mundo físico (tarefas de casa, simulados, apresentações em sala de aula) por atividades digitais.

 

2 – O futuro será cada vez mais incerto.

Ou seja, pare de tentar adivinhar o futuro e comece a seguir tendências.

60% de ferramentas listadas no TOP 5 em 2015 não eram consideradas entre as TOP 20 ferramentas em 2007.

A única certeza que temos é que novas ferramentas e novos usos para antigas ferramentas, surgirão todo ano e que as escolas devem se articular para organizar tudo isso.
Recomendações práticas: 
Alunos e professores usarão novos recursos sempre. A única preocupação de gestores e professores deve ser como organizar estes recursos e acompanhar seu uso.

Sites como escoladigital.org.br youtube.com/edu, entre tantos outros, estão cheios de conteúdos para serem usados por professores.

O uso de ferramentas como os Cadernos Digitais Inteligentes são perfeitas para professores e escolas organizarem materiais existentes para os alunos, bem como produzirem e disponibilizarem outros novos. Além disso, tanto alunos como pais e professores podem se beneficiar de diagnósticos em tempo real sobre o conhecimento dos alunos.

 

Um professor, quatro disciplinas e muita inspiração!

foto witter

No último dia 6 de Maio tive o prazer de conversar com o professor Witter Duarte Guerra, da escola Impacto, de Itumbiara – GO. Falamos de motivação, tecnologia e práticas pedagógicas. Witter é professor de ciências, física, biologia e química, tem 24 anos, pós-graduando em Metodologia do Ensino em Biologia e Química pela Universidade Cândido Mendes – UCAM, graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana do Brasil – ILES/ULBRA. Witter inova bastante em sala de aula e ama muito o que faz. Acompanhe os principais pontos do nosso papo.

Entenda a sala de aula invertida

A sala de aula invertida ou flipped classroom é uma metodologia ativa que ressignifica o papel do aluno, do professor e da aprendizagem. Coloca o aluno no centro do processo ensino aprendizagem, como protagonista e, promove o desenvolvimento de uma aprendizagem ativa, investigativa e colaborativa.

O professor promove aos alunos um processo de aprendizagem contínuo, que acontece em diferentes espaços e possibilita ampliar seus estudos, conhecimentos, e ainda desenvolver habilidades de comunicação, gestão e autonomia. Neste novo formato de ensinar e aprender, os educadores são mediadores da aprendizagem e não detentores do conhecimento.